Padrões corporais – o corpo em massa de Claudia Rogge

Claudia Rogge é uma artista alemã que trabalha a visualidade do corpo em fotografias. A criação de padronagens irregulares através da multiplicidade de corpos leva nosso olhar a buscar as similaridades e diferenças entre os corpos fotografados. Podemos identificar duas linhas de trabalho em suas fotos, uma em que assume a diferença entre os corpos e cria imagens mais orgânicas em formatos mais diferenciados, mas que são visualmente muito semelhantes seja na cor do cabelo, da pele, da roupa. A segunda seria o corpo como elemento para um padrão, que se repete e se encaixa criando uma estrutura visual de repetição, como em um cartema. Ambos os tipos instigam nosso olhar em busca da compreensão do corpo entre diferença e repetição

Imagem

 

Imagem

Imagem

20158b

pattern-and-masses-claudia-rogge-gessato-gblog-slide

rogge19.

Anúncios

Vestígios de um movimento


 
 
In this photo essay, Bill Wadman pictures the beauty of a body in motion. The pictures register the density of a gesture, capturing the body expressiveness through long exposure photos.

  
  

Neste ensaio fotográfico, Bill Wadman retrata a beleza do movimento de um corpo volátil. A densidade de um gesto é retratada captando a expressividade corporal através de fotos de longa exposição. As fotos mostram o potencial do dançarino que se cria através das reverberações de seu corpo através do tempo. A multiplicação e a deformação da imagem de um só corpo se integram em formas orgânicas do efêmero. As imagens apresentam a possibilidade de liberdade de uma corporeidade fixa. O corpo deixa de existir enquanto forma, limite físico e passa a ser registrado em seu devir.

As imagens foram compiladas em um livro.


Via @VisualNews

João Penoni – um corpo de luz

João Penoni is a brazilian artist that uses his acrobatic skills to visually explore space while revealing his body movement with light. This theme is explored in photography, video and performance.

 

João Penoni, é brasileiro com base na formação complementar entre design e arte, acrescentando aí sua prática em acrobacia aérea. Como resultado destas três áreas seus trabalhos tratam de uma exploração corporal do espaço, que se revela graficamente através do uso de luz.

Suas obras Insone e Volt exploravam fotografia e vídeo para animar os light-painting realizados pelo próprio artista sobre seu corpo.

Já em Lumen e Latente o artista continuar a utilizar a luz para evidenciar a anatomia de seu corpo e seu movimento. Apesar de saírem do nicho do vídeo, a intenção de se explorar visualmente o corpo e o espaço que percorre e o circula prevalecem em suas performances.

Suas obras me lembraram a série de fotografias de Brice Bischoff que apresentam massas de luz, como indício de um corpo efêmero.

Para quem se interessa por essa abordagem do corpo com luz, tem um post antigo aqui do blog com dançarinos que acoplam leds no corpo, como na performance Lumen.

Obrigada pela dica sobre o trabalho do João, Amador Perez!

(des)construção corporal de Lucy McRae

  Lucy McRae is essential when dealing with art that uses the body as a support. The ballerina and architect abuses her formation to (un)build body silhouettes. We selected some works that justify why the artist calls herself an “body architect”

Also showing some works from her partnership with Bart Hess.

Há tempos venho pensando em fazer um post sobre o trabalho de Lucy McRae. Lucy é artista australiana que abusa de sua formação em balé e arquitetura para (des)construir a silhueta humana a partir de diversos materiais. Sua obra mais do que renomada é exemplo recorrente quando o assunto é arte e corpo. Por isso, apesar das obras citadas neste post não serem necessariamente recentes, é mais do que digno relembrarmos suas criações. O conjunto da obra traz imagens e vídeos deslumbrantes de esculturas feitas sobre o corpo.

A beleza de seus trabalhos está na combinação das formas fluidas e orgânicas do corpo, seu movimento, sua respiração; com uma textura criada a partir de elementos frios, estáticos, que se acoplam a superfície corporal. É a partir desta fusão que Lucy McRae se considera ‘Arquiteta do Corpo’.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A sua parceria com Bart Hess evidencia ainda mais a sua relação com a tecnologia, visto que o artista holandês também transita muito na área de animação e vídeo.