#10ART – Dia 2 – Ana Beatriz Barroso

Um pouco da palestra de Ana que me tocou pela beleza das palavras

A arte sempre foi vista como uma ilusão, um mundo sensível, mundo imaginário completo, como uma outra realidade. Durante muito tempo sua função foi entreter, representar e iludir. Por um lado, a indústria cultural se apropriou disto e por outro novas funções foram sendo revelados. A arte passou a ser uma postura, um modo de olhar. O que ela defende é que a arte representa uma forma de conhecimento resultante de sensibilidade e emoção. De início a linguagem não é. Não é nada. É uma forma, uma relação. As palavras mudam de sentido de acordo com a organização delas. Portanto, a linguagem é um relacionamento, é relativa. Não é um meio de comunicação, um meio seria a escrita. A linguagem tão pouco é exclusividade humana. O que e estranho é a complexidade que adquiriu e nos permitiu nos impor entre outros animais. Dizer que existe uma linguagem da arte, seja visual, musical, plástica, é poder dizer que pensamos música, imagem e que a arte é uma forma de pensamento independente da linguagem verbal. O corpo sensível pensa de todas as formas simultaneamente, não sistematicamente e é isso que torna cada momento ímpar. O misterioso não é a arte, mas a vida! Conhecer é relacionar habitar a linguagem ao mesmo tempo que nos sentimos abandonados por ela.

Seu texto já está disponível aqui!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s