ENTRE:UM performance em duas temporalidades de um mesmo corpo

Após apresentar minha última instalação ENTRE na Mostra Imagem Experimento, fui provocada por Malu Fragoso a transformá-la em uma performance para a exposição EmMeio#4.0 no Museu Nacional da República de Brasília, na ocasião do 11 Encontro Internacional de Arte e Tecnologia (#11ART). A possibilidade de expor minha relação pessoal com meu trabalho me deixou empolgada, pois não só poderia mostrar um pouco mais do meu processo criativo, mas sobretudo a minha relação com o tipo de sensor que utilizo, o kinect. Essa oportunidade é muito importante para mim, pois minha dissertação trata da sensibilidade artificial e a relação de nosso corpo com ela na experiência artística em instalações interativas. Para esta performance contei com o apoio de meu amado Cadu Sampaio para o desenvolvimento do som.

Para desenvolver a performance separei em seis momentos. Início (1) entro em cena, meu corpo é capturado apenas como imagem, como em um reflexo, o som que se sobressai é o de minha voz, som do meu corpo. Depois meu corpo aparece na forma de dados (2), o som já se tornou digital, sons pontuais assim como minha figura digitalizada. Neste momento procuro me relacionar com este sensor, tentando provocá-lo. Esta etapa reflete todo o meu ano de experimentações com o kinect, meu processo de desenvolver uma instalação em que a primeira pessoa a testar incessantemente sou eu mesma. Neste meio tempo pude perceber as peculiaridades do sensor, aqui procuro não me referir a estas como limitações, mas apenas a este tipo de sensibilidade artificial). Assim procuro movimentos mais rápidos ou que escondam parte de meu corpo, tentando provocar o sensor a “errar” meu corpo, mas ao mesmo tempo buscando sempre seguir o que ele acredita ser meu corpo, um jogo “coreográfico” com a máquina. Assim, saio de cena (3), e fica evidente agora para o público que meu corpo estava sendo capturado e a cena agora possui um corpo presente apenas virtualmente. Em termos sonoros, o som continua o mesmo apenas um pouco mais distante. Quando retorno a cena (4) posso explorar o espaço buscando me relacionar com o meu corpo anterior. Esta relação se apresenta de forma visual e sonora a cada vez que me aproximo do local onde estaria meu corpo anterior.

É aí que meu corpo é dividido (5) como na instalação ENTRE, metade imagem e metade dados, porém desta vez esta divisão não está fixa e acompanha meu corpo. O som permanece o mesmo das conexões, acrescentando um efeito para quando os lados se alternam. Por último, o tempo-presente deixa de ser o único em evidencia e aos poucos, o intervalo entre meu corpo-de-agora e meu corpo-anterior vai preenchendo toda a projeção (6), como se esses corpos agora juntos já tivessem ocupado todo este espaço da performance.

O resultado da performance pode ser visto a seguir:

ENTRE:UM performance from Barbara Castro

 

Anúncios

ENTRE corpos, imagens e dados

This post is about my latest artwork.
BETWEEN is an interactive instalation in which the interactor’s body is splitted as half image, half data captured by Kinect. Both sides of this body alternate according to the orientation of the body, so that the interactor never sees his face. Furthermore, the side that represents the body as data (blue dots), displays a virtual body (yellow dots), along with the representation of the one that is present. This virtual body is a result of the artist’s body experience. When the interactor approaches the place that the virtual body is supposedly occupying a web emerges connecting the two bodies.

The choice of keeping the virtual body only in the form of data and no image was to reinforce the difficulty of identifying with this reflection. Together the two bodies can merge to enhance the expressiveness of body movement, reducing the individuality characterized by a face. The installation still endorse this dichotomy between presence / absence when records the public, turning these temporary experiences digital to ensure the presence of the bodies, even if virtual. The projection of these bodies is done in a frosted glass, the door of the art gallery. Therefore, the experience is designed at the boundary between the gallery interior and exterior, making it possible to watch the performance of both physical and virtual bodies from the two viewpoints. More details can be seen throughout the video below.

Esta semana tive a oportunidade de expor a instalação ENTRE na Mostra Imagem Experimento. A seguir vocês podem ver e compreender um pouco melhor as imagens que postei no convite durante a semana.

A minha pesquisa se iniciou com uma busca pela integração de expressões visuais e sonoras ao movimento humano, o primeiro experimento foi chamado CTRL01, em que o usuário do computador via um desenho se formar na tela de acordo com o posicionamento de seu rosto e sua voz. Ao longo do meu aprendizado de programação em Processing, comecei a estudar as possibilidades de reconhecimento mais complexo do movimento do corpo utilizando o Kinect e a library SimpleOpenNI. Como resultado desta etapa, expus a série de experimentos INTEGRARTE no MAM-Rio durante o Festival de Cultura Digital.Br. Nestes experimentos, já se mostrava uma necessidade de inserção do meu próprio corpo dentro da experiência.
Em ENTRE, a provocação está na divisão do corpo, que se vê refletido metade em imagem, metade em grafismos gerados a partir dos dados capturados pelo kinect. Esta divisão surgiu do contato com o espaço da galeria EBA7, em que foi exposta a instalação dentro da Mostra Imagem Experiento. As duas faces deste corpo se alternam de acordo com a orientação do corpo, de modo que o interator nunca veja seu próprio rosto. Além disso, o lado que representa o corpo em forma de dados, apresenta junto a este corpo presente, um corpo virtual. Este corpo virtual é resultado da digitalização de minha experiência corporal enquanto artista. Quando o interator se aproxima espacialmente do lugar que o corpo virtual estaria ocupando, uma trama aparece conectando os dois corpos. A opção por este corpo virtual existir somente na forma de dados e não de imagem ocorreu para reforçar a dificuldade de identificação com este reflexo. Juntos os dois corpos podem se fundir para reforçar a expressividade do movimento do corpo, reduzindo a individualidade caracterizada pelo rosto. Esta instalação busca um conceito que estou definindo ao longo de minha pesquisa de mestrado como um intervalo corpóreo, resultado da relação rítmica e espacial entre corpos mediados pela instalação.
A instalação ainda endossa esta dicotomia entre presença/ausência quando registra o público, digitalizando estas experiências temporárias para garantir a presença, ainda que virtual dos corpos. A projeção destes corpos é feita em um vidro jateado, na porta da galeria. Portanto, o intervalo é projetado no limite entre o espaço interior e exterior a galeria, sendo possível se assistir o desempenho tanto dos corpos físicos quanto virtuais pelos dois pontos de vista.

Mais imagens no meu portfolio.

ENTRE na Mostra Imagem-Experimento

This week I will be taking part in the IMAGEM-EXPERIMENTO exhibition. BETWEEN explores the opposition presence-absence, correlating the interactor’s body with an absent body that integrates the installation virtually as data.

Esta semana estarei participando da mostra IMAGEM-EXPERIMENTO com mais uma etapa do desenvolvimento de minha pesquisa. ENTRE explora a oposição presença-ausência, relacionando o movimento do corpo do interator com um corpo ausente que integra a instalação virtualmente a partir de dados previamente capturados.

Galeria EBA7 – Cidade Universitária (Fundão) – Prédio da Reitoria – 7o. Andar

Quarta-feira – 29 de agosto – De 16:30 às 18h

Quinta-feira – 30 de agosto – de 9h as 17h

A exposição integra o 7o. Simpósio de Arte Contemporânea, uma parceria entre a UFSM e a UFRJ, por isso o Simpósio contará com palestras em Santa Maria e no Rio de Janeiro. Os dois campus estarão conectados via videoconferência. Segue embaixo a programação.

Escultura dinâmica – Unnamed Soundsculpture

  

Unnamed Soundsculpture is a video-dance-sound-sculpture created by Daniel Franke & Cedric Kiefer. They captured a dancer by three different angles to create a dinamic virtual sculpture that is constantly recreating itself from different moments of the body movement. 


 
O projeto ‘Unnamed Soundsculpture’ de Daniel Franke & Cedric Kiefer cria uma escultura dinâmica a partir da relação entre o movimento e o som. Uma escultura comprometida com o processo de reconstrução permanente através da constante atualização de diferentes ângulos de um corpo dançante. As partículas se fixam e escorrem a partir deste corpo inconstante, que subitamente se desintegra e se reconstrói a partir de um outro estado do movimento.

Solicitaram a uma dançarina para uma forma de visualização da música através de seu corpo, ou uma dança que estivesse intimamente relacionada a sonoridade da música. Esta performance foi capturada por três kinects simultaneamente e depois composta em através de computação gráfica para uma visão completa do corpo, visto que um kinect só permitiria a visão espacial de um único ponto de vista. O vídeo making off pode ser visto a seguir.

Este trabalho dialoga de certa forma com um trabalho anterior de Daniel Franke com Andreas Fischer. O videclipe da musica We are the World(Not in Death) em que após dançar por alguns minutos a imagem do dançarino começa a se deformar gradualmente, passando de um leve “motion blur” (efeito ótico para movimentos muito rápidos em que não conseguimos ver o objeto nitidamente) até uma desconfiguração espacial completa de seu corpo em movimento.

INTEGRARTE no Festival Cultura Digital.Br

 
No dia 2 de dezembro tivemos a oportunidade de expor os experimentos interativos no Festival Cultura Digital.Br no MAM-RJ. Foi uma excelente oportunidade de entrar em contato com um público interessado de uma maneira um pouco mais informal. Para o Festival, desenvolvemos 4 experimentos distintos. Cada um deles interpretava os movimentos do interator em formas visuais e sonoras, explorando diferentes relações corporais. Os experimentos foram desenvolvidos utilizando o Microsoft Kinect, já citado aqui no blog em diversos posts. Para a programação utilizamos o Processing junto com o Simple OpenNI para acessar os dados do kinect. Os dados do corpo do interator eram utilizados para criar os desenhos dentro do Processing. Utilizamos também a biblioteca rwmidi para converter os dados do kinect para dados midi a serem enviados para o Ableton Live em que são controlados os sons interativos. Foi uma excelente experiência que já está se desdobrando na nova fase do projeto. Mais notícias em breve, aguarde!

Baudi(o) Painting and Stars Sung

Baudi(o) Paintings and Stars Sung are some of Jason’s Levine performances. The artist researches the boundaries between music and technology and in the last years has incremented his performances with interactive video and light. The result is an integration of visuality, body movement and voice.

Baudi(o) Painting e Stars Sung são performances de Jason Levine, artista, músico e programador. Pesquisando a interseção entre música e tecnologia, nos últimos anos, Jason se envolveu também com iluminação e vídeo interativos. O resultado é uma integração entre visualidade, movimentação corporal e voz

Seus sistemas reagem tanto ao som de sua voz, que varia entre beatbox e um canto “gutural”, quanto a sua movimentação. Tenho o mesmo interessa nas artes performativas, teatro, música e dança. Podemos pensar em cenografia interativa que esteja relacionada diretamente as ações do performer ou até do público.

CTRL+02 – experimentos com kinect

Para o desenvolvimento da instalação que estou propondo na minha pesquisa de mestrado, comecei a desenvolver experimentos lá no IMPA utilizando o kinect.
Para quem não sabe o kinect é um acessório do videogame XBox e que além da câmera RGB normal possui emissor e receptor de luz infra-vermelha. Isto dá acesso não somente a uma imagem normal mas uma leitura tridimensional deste espaço, através de níveis de profundidade. Além disto, há um algoritmo que consegue perceber o que é movimento humano dentro deste ambiente. Estes primeiros experimentos estão sendo desenvolvidos para compreensão dos dados corporais obtidos pelo software Processing, e como podem se comportar e serem interpretados em formas visuais.

Posteriormente serão experimentados relações sonoras com esta interação também. Tanto sons emitidos pela instalação como interpretação deste movimento, como sons que o interator faça também influenciarem nesta imagem gerada. Esta segunda opção já foi explorada no primeiro experimento que utilizava webcam e pode ser visto aqui. A proposta para a visualização final da instalação é que esta imagem não seja fruto somente destes movimentos, mas também sofram interferências de forças externas ainda não definidas.
O desdobramento destes experimentos foram expostos no Festival Cultura Digital.Br. Você pode vê-los aqui!

Se você gostaria de ter a oportunidade de fazer parte destes experimentos e poder opinar sobre as interações, por favor apoie o projeto para que seja exposto no Festival Cultura Digital a ser realizado no MAM em dezembro deste ano (2011). O projeto está inscrito como apresentação de processo e abertura para a intervenção do espectador no processo de criação da obra. Queremos desenvolver um laboratório em que a artista possa expor os experimentos e desenvolver sugestões dos participantes no momento do Festival.

É só entrar no site do Festival Cultura Digital e apoiar o projeto!

No canto superior direito, dá pra curtir no facebook e APOIAR no quadradinho amarelo

Agradeço desde já o apoio de todos e vamos nessa!

Este slideshow necessita de JavaScript.