Um banco de movimentos

Motion Bank is a project that aims to share motion capture data from choreographys online. They believe that data visualization can show invisible aspects of the dance.
no-time-to-fly__0000

no-time-to-fly__0001

Já tivemos no nosso blog, vários trabalhos de visualização de dança, como por exemplo, Forms e um dos precursores da captura de movimento Ghostcatching, porém o vídeo a seguir faz parte de um projeto maior. Motion Bank procura criar uma biblioteca digital de coreografias em que os dados da captura estejam disponibilizados online. O projeto também prevê a criação de aplicativos que auxiliem no ensino da dança e mostrar através das visualizações aspectos invisíveis dos movimentos. Recentemente lançaram o primeiro video baseado em uma das coreografias que farão parte do banco. Assista a seguir “No time to Fly” de Deborah Hay.

O interesse de visualizar a dança já acompanha William Forsythe, coreógrafo e coordenador do projeto, desde o seu projeto Synchronous Objects que ilustra o video trailer da nova empreitada do coreógrafo americano. É interessante ressaltar que o projeto de Forsythe abrange os dados e as capturas, mas se destacam pelo contexto coletivo, da dança como um todo, na relação estabelecida no movimento entre os dançarinos. Entenda mais sobre o projeto Motion Bank no video a seguir.

Motion Bank trailer 2012 (en) from motionbank on Vimeo.

Fonte: Creator’s Project

ENTRE corpos, imagens e dados

This post is about my latest artwork.
BETWEEN is an interactive instalation in which the interactor’s body is splitted as half image, half data captured by Kinect. Both sides of this body alternate according to the orientation of the body, so that the interactor never sees his face. Furthermore, the side that represents the body as data (blue dots), displays a virtual body (yellow dots), along with the representation of the one that is present. This virtual body is a result of the artist’s body experience. When the interactor approaches the place that the virtual body is supposedly occupying a web emerges connecting the two bodies.

The choice of keeping the virtual body only in the form of data and no image was to reinforce the difficulty of identifying with this reflection. Together the two bodies can merge to enhance the expressiveness of body movement, reducing the individuality characterized by a face. The installation still endorse this dichotomy between presence / absence when records the public, turning these temporary experiences digital to ensure the presence of the bodies, even if virtual. The projection of these bodies is done in a frosted glass, the door of the art gallery. Therefore, the experience is designed at the boundary between the gallery interior and exterior, making it possible to watch the performance of both physical and virtual bodies from the two viewpoints. More details can be seen throughout the video below.

Esta semana tive a oportunidade de expor a instalação ENTRE na Mostra Imagem Experimento. A seguir vocês podem ver e compreender um pouco melhor as imagens que postei no convite durante a semana.

A minha pesquisa se iniciou com uma busca pela integração de expressões visuais e sonoras ao movimento humano, o primeiro experimento foi chamado CTRL01, em que o usuário do computador via um desenho se formar na tela de acordo com o posicionamento de seu rosto e sua voz. Ao longo do meu aprendizado de programação em Processing, comecei a estudar as possibilidades de reconhecimento mais complexo do movimento do corpo utilizando o Kinect e a library SimpleOpenNI. Como resultado desta etapa, expus a série de experimentos INTEGRARTE no MAM-Rio durante o Festival de Cultura Digital.Br. Nestes experimentos, já se mostrava uma necessidade de inserção do meu próprio corpo dentro da experiência.
Em ENTRE, a provocação está na divisão do corpo, que se vê refletido metade em imagem, metade em grafismos gerados a partir dos dados capturados pelo kinect. Esta divisão surgiu do contato com o espaço da galeria EBA7, em que foi exposta a instalação dentro da Mostra Imagem Experiento. As duas faces deste corpo se alternam de acordo com a orientação do corpo, de modo que o interator nunca veja seu próprio rosto. Além disso, o lado que representa o corpo em forma de dados, apresenta junto a este corpo presente, um corpo virtual. Este corpo virtual é resultado da digitalização de minha experiência corporal enquanto artista. Quando o interator se aproxima espacialmente do lugar que o corpo virtual estaria ocupando, uma trama aparece conectando os dois corpos. A opção por este corpo virtual existir somente na forma de dados e não de imagem ocorreu para reforçar a dificuldade de identificação com este reflexo. Juntos os dois corpos podem se fundir para reforçar a expressividade do movimento do corpo, reduzindo a individualidade caracterizada pelo rosto. Esta instalação busca um conceito que estou definindo ao longo de minha pesquisa de mestrado como um intervalo corpóreo, resultado da relação rítmica e espacial entre corpos mediados pela instalação.
A instalação ainda endossa esta dicotomia entre presença/ausência quando registra o público, digitalizando estas experiências temporárias para garantir a presença, ainda que virtual dos corpos. A projeção destes corpos é feita em um vidro jateado, na porta da galeria. Portanto, o intervalo é projetado no limite entre o espaço interior e exterior a galeria, sendo possível se assistir o desempenho tanto dos corpos físicos quanto virtuais pelos dois pontos de vista.

Mais imagens no meu portfolio.

ENTRE na Mostra Imagem-Experimento

This week I will be taking part in the IMAGEM-EXPERIMENTO exhibition. BETWEEN explores the opposition presence-absence, correlating the interactor’s body with an absent body that integrates the installation virtually as data.

Esta semana estarei participando da mostra IMAGEM-EXPERIMENTO com mais uma etapa do desenvolvimento de minha pesquisa. ENTRE explora a oposição presença-ausência, relacionando o movimento do corpo do interator com um corpo ausente que integra a instalação virtualmente a partir de dados previamente capturados.

Galeria EBA7 – Cidade Universitária (Fundão) – Prédio da Reitoria – 7o. Andar

Quarta-feira – 29 de agosto – De 16:30 às 18h

Quinta-feira – 30 de agosto – de 9h as 17h

A exposição integra o 7o. Simpósio de Arte Contemporânea, uma parceria entre a UFSM e a UFRJ, por isso o Simpósio contará com palestras em Santa Maria e no Rio de Janeiro. Os dois campus estarão conectados via videoconferência. Segue embaixo a programação.